AVALIAÇÃO DE MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO COMERCIAL SOBRE A COMPOSIÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E A CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS DE LEITE CRU INDIVIDUAL

EVALUATION OF HOMEOPATHIC COMMERCIAL MEDICINE ON RAW MILK PHYSICO-CHEMICAL COMPOSITION AND SOMATIC CELL COUNT


Andréa Amaral Alves1, Guilherme Lanna Reis1, Ângela Maria Quintão Lana1, Sandra Gesteira Coelho1, Marcelo Resende de Souza2, Mônica Maria Oliveira Pinho Cerqueira2

INTRODUÇÃO

Na natureza, as fêmeas dos animais silvestres, de modo geral, não apresentam infecções das glândulas mamárias, pois a produção de leite é regulada pelas necessidades da cria que esgota todo o teto após cada mamada. Com a domesticação dos animais, há mais de 5 mil anos, e o cruzamento entre raças visando a formação de raças leiteiras, houve um aumento na produção de leite nessas raças selecionadas, que chegam a superar, em até 20 vezes, as necessidades dos filhotes, Essa ativação artificial de produção fomentada pelos cruzamentos genéticos, aumentou também suscetibilidades negativas no organismo animal, entre elas a mastite.
A mastite é um processo inflamatório da glândula mamária, devido a uma infecção que pode ser causada por várias espécies de microorganismos (TORRES, 1985; PHILPOT & NICKERSON, 2002), tais como protozoários, fungos, algas, vírus, bactérias e micoplasmas. Esta doença é considerada a que mais freqüentemente afeta as vacas produtoras de leite e que mais prejuízos econômicos acarreta aos produtores e as indústrias leiteiras (MONARDES, 1994)
1 Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Depto. de Zootecnia, Escola de Veterinária. Av. Antônio Carlos 6627 - CP567 - CEP 30123970, Belo Horizonte - MG, Brasil. Autor para correspondência Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
2 Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Depto. de Tecnologia e Inspeção de Produtos de Origem Animal, Escola de Veterinária.
A Contagem de Células Somáticas (CCS) é um indicador de qualidade do leite e de incidência, de mastite sub-clínica nos rebanhos leiteiros, avaliando o total de células presentes no leite, que podem ser epiteliais ou de defesa. As células epiteliais são oriundas da descamação normal do tecido de revestimento e secretor interno da glândula mamária que correspondem entre 2% e 25% do total de CCS da amostra. As células de defesa, correspondendo à 75% a 98% do total das células somáticas, incluem os Leucócitos, que migram do sangue para o úbere quando este sofre alguma infecção. Logo, a CCS serve para indicar a suspeita de um processo inflamatório no úbere -(RIBAS, 2002; FONTANELI, 1997).
De acordo com HARMON (1998), a CCS de quartos infectados não permanece estabilizada, tendendo a sofrer variações. Em infecções. crônicas, tanto a CCS como o número de bactérias tende a oscilar bastante, aumentando ou reduzindo com o tempo. Pode levar dias, semanas ou até mais tempo para CCS diminuir, depois que os patógenos são eliminados da glândula mamária. Vários são os fatores que influenciam a CCS nos animais, podendo ser individuais e ou relativos ao meio ambiente.
A mastite é um dos problemas recorrentes na bovinocultura leiteira. A terapêutica convencional é onerosa e pode provocar problemas de saúde pública pela presença de resíduos de antimicrobianos no leite, além de causar prejuízos na indústria por interferir nos processos de fabricação de derivados lácteos (BERTHELOT & BERGONIER, 1994).
Tratando-se os casos de mastite com antimicrobianos e antiinflamatórios, todo o leite produzido pelo animal durante cinco dias, em média, fica comprometido, independentemente do número de tetos tratados. Ao passo que o leite das vacas tratadas com homeopatia pode ser aproveitado, normalmente, desprezando-se apenas o leite alterado (ALMEIDA, 2003).
Atualmente, a demanda por produtos lácteos processados e de alta qualidade é crescente por parte da população, provocando uma tendência progressiva de adaptação por parte da indústria leiteira a essas exigências ditadas pelo mercado consumidor.
Este trabalho avaliou a utilização de terapêutica homeopática como alternativa para prevenção de mastite e os efeitos na composição físico-química e CCS de um rebanho leiteiro.


MATERIAL E MÉTODOS


O experimento foi realizado na fazenda da Escola de Veterinária da UFMG, situada no município de Pedro Leopoldo/MG, utilizando um produto homeopático comercial indicado para prevenção de mastite em rebanhos leiteiros. Amostras de leite de 40 vacas com composição genética variando entre mestiças Holandês/Gir com diferentes graus de sangue a Holandesas puras foram analisadas.
O critério utilizado foi o de selecionar animais -que -estavam no terço inicial de lactação, para que se acompanhasse toda a produção de leite e as variações fisiológicas que ocorrem normalmente ao longo da lactação. A idade dos animais variou entre três a Oito anos. Os animais dos grupos controle (C) e tratados (T) foram escolhidos aleatoriamente por sorteio. As vacas, em idade e ordem de parto diferentes, foram distribuídas homogeneamente entre os grupos citados. As amostras de leite foram coletadas de 15 em 15 dias durante o ano de 2005.
O grupo controle foi utilizado com o intuito de acompanhar os resultados das análises do leite na propriedade, mantendo se o manejo padrão adotado na fazenda. Este grupo não recebeu tratamento além do convencional utilizado na fazenda, pois a administração do medicamento seria junto com a ração dos animais, não alterando em nada o manejo usual.
Antes da introdução do medicamento para o grupo tratado (T), realizou-se uma coleta de leite de todos os animais. O tratamento constituiu na adição de 4 g de sacarose, inoculada com medicamento homeopático (nosódio), misturada à ração fornecida às vacas durante as duas ordenhas diárias, sendo que o total administrado foi de 8 g/animal/dia. A primeira ordenha era realizada entre 5:30h e 8:30h e a segunda entre 13:30h e 16:30h. As amostras de leite foram coletadas a cada duas semanas na ordenha da tarde durante o ano de 2005. O total de parcelas experimentais coletadas e analisadas foi de 639 amostras.
A fazenda dispõe de ordenha mecânica em linha com circuito fechado, havendo cinco conjuntos e coletores individuais. O procedimento de coleta seguiu a seguinte seqüência: teste de detecção de mastite clinica em caneca de fundo escuro, utilizando se os primeiros jatos de leite; pré-desinfecção dos tetos com solução de iodo glicerinado 0,25%; secagem dos tetos com papel toalha. Após à ordenha, retiravam-se aproximadamente 40 ml de leite nos coletores individuais para que as amostras fossem relativas ao total de leite produzido por cada animal. Estas amostras eram acondicionadas em frascos com o conservante Bronopol ®1, e acondicionadas em caixas térmicas contendo gelo reciclável para serem transportadas. As análises laboratoriais foram realizadas no Laboratório de Análise da Qualidade do Leite da Escola de Veterinária da UFMG, utilizando-se equipamento eletrônico BENTLEY 23002. Além da CCS (BENTLEY, 1995b), foram determinados os teores de gordura, proteína, lactose, extrato seco total e extrato seco desengordurado (BENILEY, 1995a).
O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado em parcelas subdivididas, sendo os grupos controle (C) e tratado (T) na parcela e os tempos na sub-parcela para cada grupo experimental foram utilizadas 20 vacas.
As respostas avaliadas foram submetidas aos testes de Lilliefors e Bartlett para verificar normalidade e homocedasticidade, respectivamente. Para a CCS, devido a falta de distribuição de probabilidade normal, foi realizada transformação dos dados utilizando-se a função logarítmica. Em seguida, realizou-se a análise de variância e estabeleceram-se equações de regressão para dias de avaliação (COCHRAN-& COX, 1957).
1 Bronopol® D&F Control Systems, Inc., Dublin, California USA.
2 Bentley 2300, Bentley Instruments, USA


RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na análise dos coeficientes de variação (CV), pode-se afirmar que a precisão experimental foi adequada, sendo que os valores para CCS apresentaram a resposta mais instável, com CV igual a 15,94% (Tabela 1).
Para todas as respostas medidas não foi verificada interação significativa entre os grupos e dias de avaliação (P> 0,05). O efeito do medicamento homeopático sobre todas as variáveis analisadas não foi estatisticamente significativo. Entretanto, houve tendência do grupo tratado a produzir leite com teores maiores de lactose e ESD e valores mais reduzidos de CCS, o que seria altamente desejável dentro dos padrões de qualidade exigidos pela indústria e pela inspeção (BRASIL, 2002).
O valor médio de CCS do leite do grupo tratado esteve de acordo como que é recomendado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (BRASIL, 2002) para avaliação da qualidade do leite, segundo parâmetros a serem instituídos a partir de 2011 (máximo 400.000 células somáticas por ml de leite), enquanto que os valores do grupo controle foram mais altos que aqueles determinados por esta norma.
A Tabela 2 apresenta as equações de regressão para as respostas avaliadas. Nota-se que, para lactose, não houve ajustamento de modelo de regressão significativo (P>0,05). Entretanto para proteína, CCS e EST houve efeito linear significativo (P<0,05), com aumento diário de magnitudes de 0,0016, 0,0013 e 0,0041 %, respectivamente. Para ESD, apresentou efeito quadrático (P<0,05), sendo que houve redução do valor desta variável até 73 dias de lactação e, a partir deste momento, houve aumento.
Apesar do resultado não significativo do tratamento, conforme demonstrado nas análises estatísticas (Tabela 1), deve-se levar em consideração, que as respostas aos tratamentos homeopáticos apresentam um componente individual bastante relevante, o que não é mensurado nas análises, uma vez que os testes de hipóteses estatísticas contrastam médias de grupos experimentais.
Um fator de relevância observado ao longo de todo o experimento foi à queda acentuada de quadros de mastite nos animais tratados desde o início, e que se estendeu aos outros animais do rebanho. No primeiro mês, apenas um animal do grupo tratado apresentou grumos no leite durante a ordenha da tarde, sendo que na ordenha seguinte não apresentou o problema. No grupo controle, nos primeiros três meses do experimento, quatro animais apresentaram quadros de mastite e foram tratados por três dias com antimicrobianos intra-mamários, conforme o padrão usual da propriedade. Após esses quadros de mastite, não houve. Ocorrência de novos casos neste grupo. No resto do rebanho, que não estava sendo acompanhado, a incidência de mastite foi muito baixa, inclusive com redução da CCS do tanque de expansão, fato esse observado nos resultados das análises realizadas pelo laticínio responsável pela captação do leite na propriedade.
O custo menor do tratamento homeopático preventivo em comparação com aquele dos tratamentos convencionais deve ser levado em consideração, além da ausência de resíduos no leite, aumentando a segurança do produto para o consumo humano.


CONCLUSÃO

Os animais medicados com produto homeopático apresentaram tendência a produzir leite com valores menores de CCS, o que indica retomo econômico melhor ao produtor em sistemas de pagamento por qualidade.
A composição fisico-química do leite dos animais tratados com nosódio e os não tratados foi semelhante. Há necessidade de maiores investigações sobre as formas de atuação dos medicamentos homeopáticos e refinamento de metodologias de avaliação destes produtos, tais como o período de cura dos animais com mastite e respostas individuais ao tratamento.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ALMEIDA, A.C.; FRANCESCHINI, F.S.; SOARES, T.M.P.; SILVA, D.B. Redução nos índices de mastite subclínica com o uso de homeopatia. In: CONGRESSO LATINOAMERICANO DE HIGIENISTAS DE ALIMENTOS, 1., 2003, Belo Horizonte. Revista Higiene Alimentar, São Paulo: GT Editora, v.17, n.1O4-I05, p.7-8, 2003.

BENTLEY INSTRUMENTS. BENTLEY 2000 Operator' s Manual. Chaska, I995a, 77p.

BENTLEYINSTRUMENTS. Somacount 2000 Operator's Manual. Chaska, I995b, I2p.

BERTHELOT, X, BERGONER, D. Mastites e qualidade do leite. A hora
Veterinária. v.79, p.59-66, 1994.

BRASIL, 2002 Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. Instrução Normativa n° 051 de 18 de setembro de 2002.

COCHRAN, W. G.; COX, G.M. Experimental designs. London: John Wiley & Sons, 1968. 611p.

FONSECA, Y.M.; ALMEIDA, A.C.; DA SILVA, D.E.; SOARES,T.M.P.; BUELTA, T.T.M.; SILVA, G.L.M.; LEMOS, K.R.; DA SILVEIRA, A.L. Utilização de bioterápicos para tratamento de mastite subclínica em bovinos. In: ENCONTRO
DE PESQUISADORES EM 3., 1999, Botucatu. Anais... Botucatu: MASTlTE, FMVZ/UNESP,1999. p. 171.

FONTANELI, R.S. Serviço de Análise de Rebanhos Leiteiros - Manual de Campo. CEPA. Passo Fundo: UPF, 1997. 80p

HARMON, IR. Fatores que Metam as Contagens de Células Somáticas. In: I SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE QUALIDADE DO LEITE.Curitiba, 1998.
Anais… Curitiba: UFPR, p.07-14, 1998.

MONARDES, 1994 , MONARDES, H. Somatic cell counting and Genetic Improvement of Resistence to Mastits. In: REUNIÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 31, 1994, Maringá. Anais Maringá-PR:
Universidade Estadual de Maringá, 1994. p. 1-19.

PHILPOT, W.N.; NICKERSON, S.C. Vencendo a luta contra a mastite. São Paulo: Milkbizz, 2002. 192 p.

RIBAS, N.P.; PAULA, M.C.; ANDRADE, u.v.c. Contagem de células somáticas e escore de células somáticas em amostras de leite de tanques. In: CONGRESSO RP PANAMERICANO DE QUALIDADE DO LEITE E CONTROLE DE MASTITE, 2., 2002, Ribeirão Preto. Anais eletrônicos... [CD-ROM], Ribeirão Preto: Instituto Fernando Costa, 2002.

TORRES, C. L. A. Mamite bovina. Florianópolis: EMPASC, 1985.30 p.